O blogue que faz da prevenção e da inspiração o seu dia a dia.

7 mitos sobre o cancro

 

Será que o stress pode provocar cancro? Se tiver um familiar com cancro também vou ficar doente? Ingerir doses elevadas de açúcar pode ser um fator de risco? Esclarecemos estas e outras crenças comuns sobre a doença.

 

Com o aumento do número de casos de cancro em Portugal – em 2017 foram registadas cerca de 50 mil novas ocorrências –, surgem também inúmeros mitos à volta da doença. O cancro é contagioso? Há alimentos que podem evitá-lo? Transmite-se geneticamente? Para responder a estas e outras questões, consultámos prestigiadas organizações científicas como a American Cancer Society e a Cancer Research UK e damos-lhe a conhecer sete mitos:

 

O cancro é uma doença moderna da sociedade ocidental?
Ao contrário do que se possa pensar, o cancro não é uma doença exclusiva do nosso tempo. Investigadores da Universidade de Durham, no Reino Unido, detetaram sinais da doença num esqueleto com mais de 3.000 anos. Há também descrições de casos da doença com milhares de anos feitas por físicos gregos e egípcios. Ainda assim, é verdade que a alteração do estilo de vida tem contribuído para o aumento da doença, sobretudo por causa do aumento da esperança média de vida (a idade é um dos principais fatores de risco do cancro).

 

O cancro é causado pelo stress?
Sabe-se que o stress afeta o sistema imunitário mas não há provas científicas de que esteja diretamente associado ao aparecimento de doenças oncológicas, explica a American Cancer Society. Em alguns casos, contudo, leva ao desenvolvimento de hábitos pouco saudáveis, como o consumo de tabaco e ingestão de bebidas alcoólicas em excesso, o que pode aumentar a possibilidade de desenvolver cancro.

 

O cancro é contagioso?
Apesar de ser uma ideia cada vez menos difundida, ainda há quem pense que o cancro é contagioso. Não é verdade. O cancro não se transmite pelo toque, pelo beijo, pelo sexo, pela partilha de refeições ou pela partilha do mesmo ar. Mesmo nos casos de gravidez, são raras as situações em que o feto desenvolve uma patologia deste tipo. Não tenha receio de visitar um doente oncológico: o apoio dos amigos e da família é fundamental.

 

Os superalimentos podem evitar o cancro?
Amoras, brócolos e beterraba são exemplos de alguns superalimentos: são assim apelidados por terem propriedades extremamente benéficas para a saúde e bem-estar. Como explica a organização britânica Cancer Research UK, a ideia de que estes alimentos evitam doenças oncológicas tem gerado alguma controvérsia. É verdade que alguns têm antioxidantes, vitaminas e minerais com efeitos benéficos para a saúde, comprovados em laboratório. Ainda assim, estes testes são feitos com doses muito elevadas destes compostos, que acabam por ser desfasadas da realidade e das quantidades que ingerimos no quotidiano.

 

Quem tem um familiar com cancro, irá ter a doença?
Apenas 5% a 10% dos cancros são causados por herança familiar, garante a American Cancer Society, o que demonstra que a maioria dos casos não estão associados a uma transmissão genética. O que acontece é que, como se trata de uma doença relativamente comum, pode haver mais do que um doente na mesma família, sem que os mesmos tenham relação hereditária, explica a mesma organização. Muitas vezes, pais e filhos, avós e netos, ou outros casos com grau de parentesco próximos, estão expostos aos mesmos fatores de risco, como o tabaco, por exemplo, e têm maior probabilidade de desenvolver a doença.

 

O cancro está diretamente associado à ingestão de açúcar?
Os estudos não demonstram uma ligação direta entre o consumo de açúcar e o aparecimento do cancro ou a sua proliferação. Ainda assim, sabe-se que os alimentos açucarados contribuem para o excesso de peso, um fator de risco das doenças oncológicas. Mais: uma dieta saudável, rica em vegetais, frutas e cereais integrais e baixa em gorduras e açúcares, diminui o risco de desenvolver alguns tipos de cancro.

 

Há seguros para o cancro?
Hoje em dia, já existem seguros com coberturas que são ativadas em caso de doença oncológica. No entanto, a grande maioria apenas é acionada em estadios de doença muito avançados ou, no caso dos seguros de saúde, apenas permite o uso do capital para tratamento.
O Seguro Vida + Vencer é uma inovação do mercado que, para além de garantir o pagamento de capital em fases iniciais da doença oncológica, permite que utilize o valor recebido como entender, para ajudar a fazer face às despesas que surgirem.
Em caso de diagnóstico garante ainda descontos na rede AdvanceCare até 50% (face aos preços de tabelas) em hospitais como a CUF, a Fundação Champalimaud, o Hospital da Luz e o Hospital Lusíadas. Além disso, intervém também numa fase de prevenção, assegurando uma consulta anual gratuita para que possa ser feito o rastreio adequado e diagnóstico precoce.

 

 

 

A informação desta página foi útil?